menu
Topo
Nutrição Sem Neura

Nutrição Sem Neura

Categorias

Histórico

Melhorar a alimentação pode te proteger contra a depressão

Sophie Deram

10/10/2018 04h00

Crédito: iStock

Pesquisadores franceses do Inserm (sigla francesa para Instituto Nacional de Pesquisa Médica e de Saúde, em tradução livre) e da Universidade de Montpellier produziram uma meta-análise de associações entre uma pontuação que mede a adesão de um indivíduo às recomendações alimentares e a ocorrência de transtornos depressivos. Os pesquisadores conseguiram mostrar que a adoção da alimentação mediterrânea (rica em frutas e vegetais, peixe e cereais) foi associada a uma redução de 33% no risco de depressão. Estes resultados são publicados na revista Molecular Psychiatry.

Com a depressão sendo o transtorno psiquiátrico incorrendo um dos maiores custos sociais nos países, há uma necessidade de reunir evidências sobre o papel da nutrição na depressão, para ajudar a desenvolver recomendações e orientar futuros cuidados de saúde psiquiátricos.

A depressão, caracterizada por baixo humor, perda de interesse ou prazer na vida e sono perturbado ou apetite, afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo, o que representa uma prevalência global de 7% para mulheres e 4% para homens. A depressão é uma das principais causas de carga de doenças e um dos principais contribuintes para a incapacidade global. Segundo a Organização Mundial da Saúde, os transtornos depressivos e de ansiedade custam à economia global US $ 1 trilhão em perda de produtividade a cada ano.

Não é só a dieta mediterrânea

Este estudo também mostra que uma alimentação pró-inflamatória (rica em gordura saturada, açúcares e produtos refinados) foi associada a um maior risco de depressão. A inflamação crônica potencialmente induzida por esse tipo de alimentação pode estar diretamente envolvida no aparecimento do transtorno de humor.

Outros estudos também mostraram a importância da alimentação no funcionamento e composição da microbiota intestinal, impactando diretamente a ligação entre o intestino e o cérebro. Essa relação desempenha um papel fundamental nos transtornos depressivos.

Tasnime Akbaraly, um dos autores do estudo, declarou: "os resultados do nosso estudo mostram a importância de nossos hábitos alimentares no aparecimento de transtornos depressivos e estimulam a generalização do aconselhamento nutricional durante as consultas médicas".

Ensaios clínicos adicionais são necessários para avaliar a eficácia da alimentação mediterrânea para reduzir o risco, a gravidade e a repetição de episódios depressivos.

Adaptado de "Améliorer son alimentation pourrait protéger de la depression".

Sobre a autora

Sophie Deram é uma nutricionista franco-brasileira, autora do best-seller “O Peso das Dietas”, palestrante, pesquisadora e doutora pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) no departamento de endocrinologia. Defende a importância do prazer de comer para a saúde e a ideia de comer melhor e não menos. Sophie não acredita nas dietas restritivas e no “terrorismo nutricional”. Desenvolve programas online para transformar a relação das pessoas com comida e ensina profissionais de saúde sobre nutrição que alia ciência e consciência.Leia mais no site da Sophie Deram: https://www.sophiederam.com/br/

Sobre o blog

Dicas, reflexões e estudos sobre a relação do nosso corpo com a comida, com foco em alcançar uma relação tranquila com os alimentos e, assim, obter um peso saudável. Esse é um espaço que passa longe dos modismos alimentares. Aqui promoveremos mudanças de hábitos que vão te ajudar a viver melhor. Acredito que o ser humano se nutre de alimentos e sentimentos.