PUBLICIDADE

Topo

5 motivos para não falar sobre o corpo dos outros pós-pandemia

Sophie Deram

22/07/2020 04h00

Crédito: iStock

A pandemia da covid-19 e a necessidade de isolamento como forma de proteção nos traz incertezas e se configura como um período de bastante estresse.

Considerando que nosso corpo muda ao longo da vida, influenciado, entre outras coisas, pelos momentos que vivenciamos, a pandemia pode propiciar mudanças, como perda ou ganho de peso.

Quem já apresentava uma relação delicada com a comida pode estar vivendo um período mais desafiador. Muita gente relata exagerar na comida e episódios de fome emocional, enquanto outras estão com o apetite diminuído.

Por outro lado, muitas pessoas também estão se sentindo menos expostas ao olhar dos outros e menos pressionadas a buscar um corpo ideal. Focaram mais na saúde e no bem-estar, ocupando a cozinha, comendo mais comida caseira e fazendo exercícios por prazer. É o que percebo entre alguns dos meus pacientes em consultas que estamos realizando à distância.

Ainda estamos vivenciando a pandemia da covd-19, no entanto, muitos países do mundo e algunas regiões do Brasil estão reabrindo a economia. Vários estabelecimentos estão retornando às suas atividades (com medidas de proteção) e ansiamos por uma vacina, para que em breve todos possamos nos encontrar e a vida volte a ser como antes.

Nesses encontros, não é incomum comentários sobre as mudanças corporais: "você engordou" ou "você emagreceu". Imagino que você já ouviu algo do tipo, ou mesmo dirigiu comentários como esse a alguém. Falar sobre o corpo dos outros é algo corriqueiro na nossa sociedade, pois nossa cultura dá muita importância à aparência.

Quem comenta nem sempre tem má intenção, muitas vezes até deseja demonstrar interesse, preocupação, apoio ou cuidado, mas de qualquer forma, as consequências geralmente são desagradáveis.

Por isso, trago aqui 5 motivos para não falar sobre o corpo dos outros no pós-pandemia (ou em qualquer outra situação).

1. Você pode estar fomentando a insatisfação corporal

A imagem corporal é a figura que temos dos nossos corpos, suas formas e tamanho. Também se refere às práticas corporais, sentimentos e pensamentos relativos a ele.

Já a insatisfação corporal é um distúrbio da imagem corporal. Não se refere apenas à distorção da imagem corporal (perceber-se maior ou menor do que se é na realidade), mas também à depreciação, evitação e valorização extrema do corpo.

Existem pessoas insatisfeitas de todos os tipos físicos, inclusive aquelas que apresentam características do padrão de beleza da nossa sociedade.

A mentalidade de dieta pode estar muito atrelada a isso. As pessoas se sentem insatisfeitas e buscam restrições alimentares, que não dão certo a longo prazo, para atingirem uma forma física que geralmente é inalcançável.

Essa busca constante pode ser um gatilho para a busca de um corpo irreal e problemas mais severos com a comida, inclusive transtornos alimentares.

2. A gente não sabe pelo que o outro está passando

Bem, esta é outra coisa a se considerar. Você não tem como saber pela aparência do outro, mas ele pode estar passando por problema de saúde que pode provocar perda ou ganho de peso (câncer, diabetes, hipo ou hipertireoidismo, por exemplo), ou um momento difícil em relação à sua alimentação e ao modo como vê o seu corpo.

É possível, inclusive, que a pessoa a quem dirigimos um comentário apresente um problema mais sério, como um transtorno alimentar. Ela pode estar lutando em silêncio, mas ainda assim pensando e avaliando seus corpos o tempo todo. Nesse caso, qualquer comentário sobre o corpo ou sobre a aparência pode ser interpretado como um sinal distorcido de seu sucesso ou de seu fracasso de forma extrema.

Elogios podem fazê-la se sentir motivada a praticar comportamentos prejudiciais para manter a forma corporal, como também as críticas geralmente provocam sentimentos de culpa e de vergonha.

3. Há muito mais sobre o que falar

Atualmente, a magreza é extremamente desejável, enquanto que o corpo gordo é mal visto. Infelizmente, essa obsessão pela aparência pode ter um impacto extremamente negativo na saúde.

Quando você faz um comentário sobre o corpo de alguém está contribuindo para perpetuar uma cultura que iguala o aspecto físico ao seu valor como pessoa. A aparência pode ser a primeira coisa que vemos, mas não é o atributo que define quem somos.

Sem falar que, até um certo ponto, os corpos mudam constantemente. As pessoas podem ganhar ou manter peso, pintar os cabelos, fazer uma tatuagem, usar determinadas roupas, etc.

Por que gastar tanto tempo enfatizando algo tão variável quando você pode se concentrar, literalmente, em qualquer outra coisa? Em vez de falar sobre o corpo dos outros, experimente dar espaço para que falem sobre o que desejarem e deixe a conversa fluir.

4. Por trás da gentileza pode haver preconceito

"Seu rosto é tão bonito, porque não tenta emagrecer?". "Pela sua saúde, acho que você deveria cuidar da sua alimentação". "Você não acha que ficaria melhor se ganhasse/perdesse alguns quilos?". "Tenho uma dieta ótima que pode ajudar você".

Há quem faça esse tipo de comentário, acreditando estar sendo gentil, elogiando ou demonstrando apoio. Mas na verdade essas frases podem estar repletas de preconceitos, como também expressam a ideia muito recorrente na nossa sociedade, de que o peso determina a nossa saúde.

No entanto, existem pessoas saudáveis de todos os tipos e formas corporais, não é o peso que determina se alguém é mais ou menos saudável.

Mesmo que esteja preocupado com a saúde de alguém, falar sobre o corpo dos outros não é o melhor caminho. Você pode experimentar demonstrar essa preocupação de modo que não chame a atenção para a aparência.

5. Um elogio para você pode não ser um elogio para outra pessoa

"Você perdeu peso" ou "você ganhou músculos" não são elogios universais. Nem todo mundo se sente bem emagrecendo ou ganhando massa corporal. Na verdade, não existem palavras verdadeiramente seguras para descrever o corpo de alguém sem conhecer como elas se relacionam com essas palavras.

Para quem não se sente bem com seu corpo, ouvir esse tipo de comentário, aparentemente inocente, pode se tornar o combustível para comportamentos inadequados. Dependendo da pessoa, pode significar um dia inteiro descontando os sentimentos na comida, ou não comendo nada. Por isso, o melhor é evitar elogios como esses.

Por fim, sugiro que todos nós façamos o esforço de ter mais empatia e respeito pelas pessoas. Nada de incentivar dietas da moda, nem falar sobre o corpo dos outros no pós-pandemia ou qualquer outro momento. Assim, você ajuda as pessoas a fazer as pazes com a comida e com o corpo!

Bon appétit!

Sophie

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Sophie Deram é uma nutricionista franco-brasileira, autora do best-seller “O Peso das Dietas”, palestrante, pesquisadora e doutora pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) no departamento de endocrinologia. Defende a importância do prazer de comer para a saúde e a ideia de comer melhor e não menos. Sophie não acredita nas dietas restritivas e no “terrorismo nutricional”. Desenvolve programas online para transformar a relação das pessoas com comida e ensina profissionais de saúde sobre nutrição que alia ciência e consciência.Leia mais no site da Sophie Deram: https://www.sophiederam.com/br/

Sobre o blog

Dicas, reflexões e estudos sobre a relação do nosso corpo com a comida, com foco em alcançar uma relação tranquila com os alimentos e, assim, obter um peso saudável. Esse é um espaço que passa longe dos modismos alimentares. Aqui promoveremos mudanças de hábitos que vão te ajudar a viver melhor. Acredito que o ser humano se nutre de alimentos e sentimentos.